Diagnóstico da alergia

A doença alérgica pode ser rinite, rinoconjuntivite, asma e/ou urticária. Para o seu diagnóstico é necessário realizar um bom estudo, no qual o especialista terá em conta os antecedentes tanto familiares como pessoais, através de uma correta história clínica (anamnese), sendo que o especialista irá continuar o estudo na procura do principal agente causador através de uma série de testes de diagnóstico realizados “in vivo” (prick test, testes de provocação e intradermorreação) e "in vitro" (teste em que é realizada uma análise sanguínea com o objetivo de detetar níveis elevados de alguns anticorpos indicativos de doença alérgica).

Os Laboratórios Diater colocam à disposição do especialista um amplo catálogo de produtos e extratos alergénicos para um correto diagnóstico etiológico da alergia e para assim determinar o alergénio responsável pela sintomatologia.

O diagnóstico da alergia é realizado através de testes simples, tanto cutâneos como sanguíneos. .

MÉTODOS IN VIVO

Anamnese

Consiste na recompilação de informação do doente, através de perguntas específicas formuladas ao próprio doente, com o objetivo de obter dados úteis para formular o diagnóstico da doença. Deste modo, uma boa anamnese irá facilitar o diagnóstico e o tratamento da alergia.

Testes cutâneos

prick test, consistem na administração do alergénio ou da substância suspeita de ser causadora da reação alérgica. Esta é colocada na pele, na parte anterior do antebraço, através da inoculação de extratos alergénicos, através de uma punção com uma lanceta, na epiderme, eliminando a posteriori o líquido restante, com o objetivo de que não exista contaminação cruzada entre vários alergénios, e desta forma alterar a validade dos resultados

Posteriormente, o doente terá de aguardar cerca de 15-20 minutos, após este período o médico irá realizar a leitura e interpretar os resultados em função do tipo de reação que tenha ocorrido na pele do doente.

Se o doente for alérgico irá formar-se uma pápula com inflamação e vermelhidão no local da punção devido à libertação de mediadores da inflamação. Isto poderá significar que este alergénio pode ser o responsável por grande parte dos seus sintomas alérgicos.

Para comprovar que o teste foi realizado corretamente serão usados dois controlos; positivo e negativo; se o teste tiver sido realizado corretamente será produzida uma pápula na zona do antebraço onde foi depositado o controlo positivo (histamina) e a ausência de qualquer tipo de reação no caso do controlo negativo (solução salina fisiológica). Em geral, os testes prick test são seguros, não implicando risco de reação alérgica. Mas, em algumas ocasiões foram descritas reações alérgicas de tipo generalizado com a realização destes testes. A maior parte das vezes foram com medicamentos e em indivíduos com uma alta sensibilidade.

Muitas vezes para um diagnóstico correto e completo, o especialista também irá recorrer à realização de testes "in vitro"após a realização dos testes cutâneos.

Um diagnóstico correto começa com a realização de testes cutâneos com alérgenos, também chamados Prick Tests.

Testes intradérmicos

Os testes intradérmicos são outro método de diagnóstico que ajuda a determinar se um indivíduo é alérgico a uma substância específica. Esta técnica é usada pelo especialista quando os testes cutâneos prick test dão um resultado negativo e o especialista suspeita que o alergénio em questão é o causador da reação alérgica. O teste consiste na administração de uma pequena quantidade do alergénio ou substância suspeita na superfície da pele. Após 15 – 20 minutos examina-se a área de aplicação, procurando uma reação alérgica, consistente numa pequena urticária, inflamação e vermelhidão da pele.

O teste intradérmico é uma técnica mais sensível do que o prick teste, dando melhores resultados ao diagnóstico. São utilizados sobretudo no diagnóstico da alergia a fármacos e venenos de abelha e vespa.

O teste intradérmico é uma técnica mais sensível do que o prick teste, dando melhores resultados ao diagnóstico.

Teste de provocação

O teste de provocação é outro método complementar de diagnóstico da alergia, para isso administra-se o alergénio suspeito da reação alérgica através de um dos seguintes órgãos: nariz, conjuntiva (olhos) ou trato respiratório (pulmão), com o objetivo de reproduzir os sintomas que são apresentados quando um individuo alérgico é exposto de forma natural a um alergénio.

Existem três tipos de provocação em função do órgão afetado:

    Provocação conjuntival
  • : Aplicação da substância suspeita na conjuntiva do olho. Este teste realiza-se perante uma patologia conjuntival de origem alérgica.
  • Provocação nasal: Aplicação da substância problemática no nariz. Este teste realiza-se no caso de rinite de origem alérgica.
  • Provocação brônquica: Inalação do alergénio perante patologias de origem asmática ou problemas respiratórios de origem alérgica.
Os testes de provocação reproduzem os sintomas alérgicos no órgão alvo afetado.

 

MÉTODOS IN VITRO

Para confirmar o diagnóstico de alergia a uma substância em particular, muitas vezes recorre-se à realização de análises sanguíneas que demonstram a presença de anticorpos específicos perante uma substância ou alergénio, suspeita de ser a causa da reação alérgica. Os referidos testes detetam a presença de imunoglobulina E (IgE), anticorpo produzido pelo sistema imunológico de uma pessoa alérgica.Dado que existe um anticorpo IgE específico para cada alergénio (pólenes, ácaros, epitélios, fungos…), a análise de variantes específicas da IgE deve ajudar a determinar se um doente tem alguma alergia.

A determinação no sangue de anticorpos IgE ajuda a obter um bom diagnóstico de confirmação de alergia.

NOTE!

This website uses proprietary and third-party cookies to enhance our services and study our users browsing habits. If you continue browsing, it will be considered that you have accepted their use. You can change your cookie settings or obtain further information by going to our Cookies Policy. Learn more

I understand

CONTATO EU ENCHER AS SEGUINTES INFORMAÇÕES